Categorias
Blog Notícias

Faculdade Presencial x Faculdade EAD: qual a diferença?

Faculdade Presencial x Faculdade EAD: qual a diferença?

Com o avanço da tecnologia, cada vez mais atividades do nosso cotidiano estão se tornando digitais. Com a educação não seria diferente. A tecnologia possibilitou que qualquer pessoa fizesse uma graduação sem sair da sua casa. A preocupação de escolher uma instituição mais próxima de casa e que oferte o curso que você deseja no horário que você possa comparecer, pensadas para cursar uma graduação presencial, não são mais necessárias com o Ensino a Distância

Atualmente, a dúvida mais usual é: qual é a melhor escolha, um curso EaD ou presencial? 

Se você ainda não conhece a diferença entre as duas modalidades de ensino e não sabe em qual você se adaptaria melhor, continue lendo esse blog. 

Curso presencial 

Quem escolhe a modalidade presencial, como o próprio nome diz, é necessário comparecer à faculdade para assistir às aulas. Para quem precisa de rotina e disciplina impostas para acompanhar os estudos, pode ser uma boa opção, mas todo e qualquer imprevisto pode computar em faltas, perda de trabalhos e até mesmo provas.

Curso presencial na Faculdade Alis: Aqui na Faculdade Alis, nos preocupamos em oferecer um ensino de qualidade e atualizado conforme as demandas do mercado de trabalho. Entendemos que o ensino presencial tradicional não cabe mais em uma sociedade tão digitalizada como a nossa, por isso, nosso modelo de ensino contempla momentos em sala de aula física e sala de aula no ambiente virtual. Proporcionando aos nossos alunos um modelo de ensino mais moderno e que faça o aluno ser protagonista da sua trajetória acadêmica. 

Curso EaD 

Já no ensino a distância, o aluno cumpre seus compromissos com o curso total ou parcialmente online – depende da opção da instituição para a graduação escolhida. Dependendo da Faculdade, os encontros marcados costumam ser apenas para realização das provas bimestrais e aulas inaugurais.

É uma excelente opção para quem já tem uma rotina tomada de compromissos e precisa encaixar a faculdade entre uma tarefa e outra. Se você é disciplinado e adepto do estudo individual, vale investir. Porém, o EaD não é fácil. Ele exige muita disciplina para estudar e estar preparado para as provas. Ao longo do curso também é necessário entregar trabalhos e postar exercícios avaliativos. 

Vantagens cada modalidade 

No curso presencial, modelo mais tradicional, é possível destacar como vantagens a experiência de ir a faculdade, você amplia sua rede de contatos, conhece novas pessoas e faz novas amizades. Além disso, aulas presenciais e das atividades em grupo, interação direta com os professores em tempo real e também maior facilidade para acompanhar a rotina de estudos.

Quando falamos do modelo de ensino EaD, é possível destacar diversas vantagens para o aluno como a maior flexibilidade de horários, dias de estudo e formatos de conteúdo, a redução dos custos com transporte e alimentação, já que o aluno pode estudar em casa.

Desvantagens de cada modalidade 

Por outro lado, quando falamos do ensino presencial, temos que considerar desvantagens como horários rígidos e sem flexibilidade para o aluno, a exigência de presença mínima para aprovação, os gastos com transporte e alimentação e também o fato de que existem regiões não atendidas por instituições de ensino presencial.

Já no modelo EaD, é necessário contar com um ambiente de estudos que permita acompanhar os conteúdos, já que o estudo é feito em casa, no transporte público ou no trabalho, exigindo determinação e planejamento do aluno para conquistar os resultados esperados.

Para realizar uma boa escolha, vale levar alguns pontos em questão: 

  • A graduação EaD costuma ser mais rápida e barata;
  • A graduação presencial possui experiência/vivências que o EaD ainda não consegue proporcionar da mesma forma;
  • É necessário ter disciplina e independência para estudar a distância;
  • Provavelmente terá gastos com locomoção e alimentação no presencial.

 

Em ambas as modalidades, o diploma tem a mesma validade. Seja a graduação realizada na modalidade presencial ou EaD, o seu diploma terá o mesmo peso e reconhecimento. Logo, a sua escolha, independente de qual for, só poderá ser ruim se você não escolher uma boa instituição que te dê suporte, conteúdo de qualidade e uma boa estrutura para seus estudos. 

Conheça a oferta de cursos presenciais e EaD da Faculdade Alis e venha se tornar aluno de destaque no mercado de trabalho.  

Compartilhe nas redes sociais!

Categorias
Blog Notícias

Como elaborar um bom currículo?

Como elaborar um bom currículo?

Independente se ele é físico ou digital, o currículo é o primeiro passo para conseguir uma oportunidade de emprego. É a partir das informações contidas nele que um futuro empregador embasa as primeiras impressões sobre o profissional que almeja uma vaga em sua empresa. 

Provavelmente você nem imagina, mas talvez seu currículo já tenha sido descartado de alguma seleção de emprego unicamente por causa da aparência e do excesso (ou falta) de informações apresentadas. Ter experiência e estudos é importante, mas não saber como apresentá-los pode botar tudo a perder. 

Mas não se desespere, nesse artigo, traremos algumas dicas para você montar um currículo ideal e chamar a atenção dos recrutadores. 

Estrutura básica de um currículo 

– Informações pessoais 

– Histórico profissional 

– Formação acadêmica

– Cursos extracurriculares 

– Idiomas 

A seguir, entenda melhor o que deve constar em cada etapa do seu currículo.

Dados pessoais

O recrutador não está em busca de obter todos os seus dados pessoais para uma possível entrevista. Coloque apenas:

Nome completo

E-mail

Telefone de contato

Endereço do seu perfil em redes profissionais, como o LinkedIn (se tiver).

Cidade onde mora

Idade ou data de nascimento (opcional)

Experiência profissional 

As suas experiências profissionais anteriores podem ser os principais critérios para a conquista de seu emprego.

Você deve apresentar de maneira sucinta, em seu currículo, suas experiências profissionais: a empresa que trabalhou, o período de atuação neste trabalho, o cargo que exercia e quais eram as suas responsabilidades no cargo. Use sempre a ordem do mais recente para o mais antigo. 

Trabalho 1 (2021- 2022)

Trabalho 2 (2018 – 2019)

Descreva sua formação 

Principalmente para os candidatos que não possuem uma sólida experiência profissional, a formação acadêmica pode ser um diferencial na conquista pelo emprego, desde que seja informada com precisão. Descreva, de forma sucinta, seus cursos de graduação e pós-graduação. Utilize os seguintes dados e use sempre a ordem do mais recente para o mais antigo. 

  • Modalidade do curso
  • Título do curso
  • Instituição
  • Local do Curso
  • Período do curso (se já está concluído ou ainda em conclusão).

Cite cursos e outras atividades

Para quem não tem experiência profissional na área, deve trabalhar muito bem essa sessão. Cursos extracurriculares são opcionais e devem estar de acordo com a área de atuação desejada. É nessa parte que entrarão informações como  cursos livres, extensão e nível de fluência em idiomas. Coloque em ordem o nome da instituição de ensino, o curso e a data de início e término.

Aqui na Faculdade Alis, nossos alunos e alunas tem um incentivo a mais na hora de montar um bom currículo. Todos os períodos, os estudantes que são aprovados em todas as disciplinas, recebem uma microcertificação que comprova que ele desenvolveu uma habilidade específica naquele semestre que é necessária para exercer a profissão. Isso é uma forma de mostrar aos recrutadores que ele está preparado para enfrentar os desafios das profissão.

#Dica 1 

Não coloque foto, apenas se for solicitado. E no caso de ter que incluir sua foto, tente usar uma simples em que você pareça natural e simpático. Evite selfies, fotos em trajes de banho, em viagens ou festas. Uma simples imagem com boa luz e fundo neutro podem contar muito mais a seu favor. 

#Dica 2 

Evite erros de português. Não cometa nenhum deslize de ortografia, pontuação ou até mesmo de digitação. Esses deslizes podem causar má impressão na hora da análise do seu currículo. Depois de pronto, o releia com calma e atenção.

#Dica 3 

Tome cuidado com os currículos criativos. Alguns candidatos tentam chamar a atenção pela estética do currículo, fugindo um pouco do modelo tradicional.Na grande maioria das situações, a simplicidade e a objetividade podem ser muito mais importantes do que um currículo inovador e diferenciado. Em sites como Canva, você pode encontrar modelos bonitos e objetivos. 

#Dica 4

Lembre-se de que toda experiência é válida. Se você está no início da sua vida profissional e não sabe o que colocar em suas experiências, você pode citar em seu currículo: estágios, experiências obtidas na faculdade e até mesmo cursos e trabalhos voluntários.

Importante: Faça currículo em tópicos! Um recrutador, no momento da seleção, tem inúmeros currículos em mãos. Texto corrido não facilita a leitura. Principalmente para um profissional que está analisando mais de 10, 20, 30 currículos. Sendo assim, coloque o texto em tópicos e espere o dia da entrevista para explicar cada um.

#Dica extra 

Se você quer turbinar seu currículo e ganhar destaque no mercado de trabalho, escolha uma instituição de ensino de referência para você realizar a sua Graduação ou Pós-graduação. Aqui na Faculdade Alis, você consegue ter acesso a uma metodologia inovadora, experiência prática sem sair da faculdade e além disso, contato constante com mercado de trabalho através das empresas locais parceiras. 

Compartilhe nas redes sociais!

Categorias
Blog Notícias

Por que fazer uma pós-graduação?

Por que fazer uma pós-graduação?

Vivemos em um mundo que está em constante mudança. Seja introduzindo novas tecnologias ou reformulando processos já obsoletos, os profissionais do mercado, seja quem é novo ou mais antigo, deve acompanhar o movimento se não quiser ficar para trás. 

E quem quer se destacar, não pode parar de estudar. A graduação é apenas o primeiro passo de uma trajetória profissional de sucesso. Por isso, a cada dia que passa, fazer uma pós-graduação se torna mais essencial. 

Se você ainda não pensou sobre o assunto, iremos te apresentar alguns motivos bem convincentes para você iniciar a sua pós-graduação o quanto antes. 

Aprofundar seus conhecimentos 

Assim que saímos da graduação, somos considerados generalistas, visto que em um período de 4 ou 5 anos, dependendo do curso, não permite que todas as matérias e áreas sejam aprofundadas. Logo, uma pós-graduação pode te tornar especialista naquele assunto que você mais tem afinidade. 

Durante a sua especialização, você terá aulas com mestres, doutores e profissionais que são especialistas na sua área de atuação. Você tem a possibilidade de ampliar seu conhecimento para muito além do que estudou na graduação e tem acesso a um conteúdo com viés prático, que aborda como o saber adquirido em cada aula pode ser aplicado na sua rotina do trabalho. 

Atualização sobre as tendências do mercado de trabalho 

Na pós-graduação, você tem a oportunidade de se atualizar sobre as novas tendências que surgem no mercado de trabalho. Com isso, você pode se adaptar mais facilmente às mudanças que estão acontecendo, melhorar sua forma de trabalhar e também pode levar seus novos conhecimentos ao seu local de trabalho, gerando valor à sua equipe e empresa. 

Fortalece seu currículo 

Quem almeja boas empresas e bons salários, fazer uma pós-graduação é mais que essencial para deixar seu currículo mais chamativo.  Isso mostra que você não é um profissional acomodado, e sim, busca mais conhecimento e atualização contínua. 

Networking 

Como curso de pós-graduação você retorna a sala de aula, sua rede de contatos amplia visto que terá que lidar com outros profissionais da sua área, além dos que já trabalham com você. 

São contatos que podem fornecer informações importantes sobre contratações em grandes companhias, apresentá-los a grandes nomes e figuras importantes da sua área, investir em projetos com você, oferecer oportunidades exclusivas de emprego, indicá-lo para vagas e por aí vai.

Como já viu, existem vários motivos para você investir na sua carreira e se tornar especialista no assunto que gosta. Então chega de desculpas e dê o start na jornada da pós-graduação. A Faculdade Alis conta com vários cursos de pós-graduação, com duração de apenas 10 meses e metodologia focada em oferecer uma formação prática. 

Compartilhe nas redes sociais!

Categorias
Blog Notícias

Tudo que você precisa saber sobre o curso de Engenharia Mecânica!

Tudo que você precisa saber sobre o curso de Engenharia Mecânica!

Pensa em cursar engenharia, mas ainda não sabe qual? Se você ainda tem essa dúvida, hoje iremos te apresentar o curso de Engenharia Mecânica. Fique por dentro sobre como é a graduação e o mercado de trabalho. Continue lendo e conheça tudo sobre uma das engenharias mais famosas e necessária para a sociedade. 

Graduação 

O curso de Engenharia Mecânica tem duração de 5 anos. Durante a graduação, o aluno tem matérias que o capacita para cuidar de projetos, construções, análises e manutenções de sistemas mecânicos. Basicamente, um Engenheiro Mecânico trabalha para criar máquinas, motores e outros tipos de produtos desse tipo. 

Curiosidade – A Engenharia Mecânica é uma das áreas mais antigas do mundo. Suas origens remetem há milhares de anos à história da humanidade. Ainda na Antiguidade humana, chineses e gregos já haviam desenvolvido mecanismos como motores a vapor e bombas de água. 

Durante a Faculdade, você encontrará várias matérias que desenvolvem habilidade técnicas e competências necessárias para compreender processos mecânicos, hidráulicos e térmicos, como seu funcionamento e manutenção.

Assim como as outras engenharias, o início do curso é focado em matérias básicas e depois inicia as mais focadas na área, como: 

  • Eletricidade Aplicada; 
  • Mecânica dos Sólidos; 
  • Mecânica dos Fluídos; 
  • Projetos Mecânicos; 
  • Manutenção Mecânica; 
  • Ciência dos Materiais; 
  • Metrologia; 
  • Sistemas Térmicos e Termodinâmica. 

Mercado de Trabalho 

O estudante que se forma em Engenharia Mecânica encontra um mercado aquecido e com amplas possibilidades de atuação. Por ser uma profissão altamente relevante para a sociedade, o engenheiro consegue se adequar em diversos setores. Onde houver uma máquina, um engenheiro mecânico poderá atuar para otimizar os processos que ela executa.

A sua fonte empregatícia mais tradicional é a indústria automobilística e aeronáutica, porém possui campo de atuação também em metalúrgicas, mineradoras, siderúrgicas e na fabricação de bens de consumo, como indústria alimentícia, eletrodomésticos, enfim, em qualquer segmento do mercado que envolvam máquinas, ferramentas e equipamentos 

E se você está pensando em seguir na área saiba que a Engenharia Mecânica sempre está entre as profissões que pagam bem e a alta demanda pelos serviços desse profissional gera possibilidades e oportunidades ainda mais atrativas.

Escolha bem a instituição de ensino para realizar a sua graduação 

Se você deseja se tornar um Engenheiro Mecânico, seu primeiro passo deve ser escolher uma boa instituição de ensino para realizar a sua graduação.

Aqui na Faculdade Alis, temos um método de ensino moderno, focado em desenvolver habilidades técnicas e socioemocionais. Você não estudará somente a teoria. Durante o curso, você desenvolverá projetos de acordo com as práticas da profissão, literalmente, botando a mão na massa.

Temos o objetivo de conectar cada vez mais alunos com o mercado de trabalho, por isso, contamos com parcerias com várias empresas da região. Assim, levamos pro nosso aluno, muito mais do que só ensino, mas também um desenvolvimento profissional.

Conheça mais sobre a Faculdade Alis e venha estudar conosco.

Compartilhe nas redes sociais!

Categorias
Blog Notícias

Como escolher a melhor instituição de ensino para fazer a sua graduação?

Como escolher a melhor instituição de ensino para fazer a sua graduação?

Ingressar em uma graduação é um momento muito importante para qualquer estudante e causa muitas dúvidas. Qual curso escolher? Onde estudar? Qual carreira seguir? Quando iniciar a faculdade? São só alguns exemplos de decisões que devemos tomar para iniciar os estudos. 

Antes de mais nada, é preciso colocar no papel quais cursos você tem mais afinidade. Caso ainda não tenha ideia da carreira que deseja seguir, o que é super normal, comece a estudar sobre as áreas de atuação, faça um teste vocacional e entenda quais cursos parecem mais com o seu perfil. Gosta de cuidar de pessoas? Talvez a área da saúde seja pra você. Gosta mais de números? Os cursos de exatas são os ideais para você. Definido o curso, é o momento de procurar as instituições de ensino que oferecem o curso que você deseja. 

Se você não sabe por onde começar, trouxemos esse post para te ajudar a dar o primeiro passo e escolher bem o lugar onde você dará início a sua carreira. Acompanhe! 

Faça uma pesquisa sobre as faculdades e sua infraestrutura

É um passo importante e que se tornará muito presente na sua rotina: pesquisar. Procure quais instituições oferecem o curso desejado, como é a estrutura de sala de aula, laboratórios, biblioteca, a localização e a grade curricular. 

As instituições costumam abrir suas portas para que pais e alunos conheçam mais a estrutura e as informações importantes. Aproveite esse momento para conhecer cada espaço, veja se você se sente confortável e gosta do local. Durante a graduação, você precisará de uma boa infraestrutura para realizar seus estudos, ter laboratórios bem equipados e bibliotecas com bom acervo são alguns pontos a serem considerados na tomada de decisão. 

Conheça a estrutura da Faculdade Alis

Conheça o corpo docente e sua qualificação 

Todo mundo espera encontrar durante sua trajetória professores qualificados e que tenham uma grande bagagem profissional para compartilhar conhecimentos e experiências com seus alunos. Tudo isso pode transformar a sua graduação, então procure saber mais sobre o corpo docente da instituição que você está escolhendo. 

As melhores faculdades do mercado contam com um time de professores mestres e doutores. Em geral, essas informações estão disponíveis no próprio site da faculdade. 

Leve em consideração a nota no MEC

O Ministério da Educação realiza periodicamente uma avaliação das instituições de ensino superior. Isso é um termômetro para que você conheça a qualidade dos cursos de acordo com critérios estabelecidos pelo ministério, que são equivalentes para todas as instituições. A notas são de 1, sendo rendimento baixo, até 5, que é índice de excelência. Você pode consultar através do site do MEC.  

Saiba o que aquela instituição pode te oferecer além do básico 

Existem inúmeras instituições de ensino superior no Brasil ofertando cursos presenciais ou à distância. Entretanto, isso não significa que todas são boas, tem reconhecimento ou oferecem aos seus alunos a melhor estrutura e experiência acadêmica. Oferecer muito além do que uma formação técnica é essencial para formar profissionais diferenciados. 

Aqui na Faculdade Alis, nos preocupamos em oferecer ensino de qualidade aos nossos alunos e alunas. Nosso jeito de aprender e ensinar vem com uma proposta diferente e disruptiva com o modo de ensino tradicional. Temos aulas no ambiente virtual e em sala de aula, laboratórios com equipamentos de última geração, Experiência Aplicada com projetos inovadores criados por alunos e matérias focadas em desenvolver habilidades socioemocionais, as chamadas soft skills. Tudo isso pensando em entregar futuros profissionais capazes de atender as demandas atuais do mercado de trabalho. 

Gostou das dicas? Venha conhecer um pouco mais sobre a Faculdade Alis.

Compartilhe nas redes sociais!

Categorias
Notícias

O uso de drones na Engenharia e Arquitetura

O uso de drones na Engenharia e Arquitetura

Os drones são muito usados hoje em dia, mas não apenas para tirar belas fotografias, gravar vídeos incríveis ou mapear uma região. Eles ganharam novas funções muito importantes para empresa e indústrias que crescem a cada dia.

É um veículo aéreo não tripulado, com alto grau de automatismo, controlado remotamente, que pode realizar inúmeras tarefas. Foi criado pelo engenheiro israelita Abe Karem na década de 70 para fins militares, porém atualmente já é utilizado em diversas finalidades que vão desde entrega de órgãos humanos em hospitais até mesmo no auxílio de guerras. “Drone é considerado uma aeronave não tripulada categorizada como aeromodelo, usada para outros fins que não a recreação, sendo uso comercial, corporativo ou até mesmo experimental (ANAC, 2017, p. 07)

Os drones como maquinismos de inspeção e monitoramento são inovações já adeptas na indústria devido a sua facilidade, baixo custo para utilização e excelente retorno do serviço prestado em relação a forma de execução anterior em que necessitavam de aeronaves tripuladas, pontos de aterrisagem e mão de obra altamente especializada. Peter Drucker (2008) define inovação como sendo a capacidade de atribuir novos contornos aos recursos existentes na empresa para gerar riqueza.

A aplicação desta tecnologia é de extrema importância pois permite uma coleta de imagens, dados e filmagens que agrega valor na garantia de qualidade no gerenciamento da obra civil, uma vez que possibilita avaliar o estado da mesma, para uma perícia, acompanhamento periódico ou até mesmo verificar suas condições de segurança. Essas imagens e dados além do caráter técnico que possuem, também auxiliam na gestão como um todo no projeto, por conseguir tornar perceptível para as partes interessadas informações diversas acerca do mesmo.

É uma ferramenta que auxilia o profissional a gerar relatórios detalhados capazes de garantir que o desenvolvimento da obra esteja sendo executado com a qualidade prevista no projeto. O drone obtém imagens precisas, em alta resolução e poupa o profissional, seja de engenharia ou arquitetura, do risco físico que antes era submetido.

O drone é uma ferramenta que a engenharia pode utilizar facilmente como um todo, seja em relatório, inspeção visual, monitoramento, auditoria ou perícias. Para gerenciamento de obras e acompanhamento periódico, o drone pode ser o equipamento ideal tendo em vista o custo benefício. Realizar voos com aeronaves tripuladas para monitorar obras tornou-se inviável com a vinda os drones. Para a aeronave tripulada seria necessário pessoas qualificadas, espaço físico e recursos que muitas vezes as obras não disponibilizam. Com o drone todos esses recursos não são necessários.

Autor: Mariana Paula Miranda (Trabalho de Conclusão de Curso – FUPAC 2020)

Texto escolhido por Shayra Lauar, Empreendedora dos Cursos de Engenharia da Faculdade Alis Itabirito.

Compartilhe nas redes sociais!

Categorias
Notícias

Fontes Renováveis de Energia

Fontes Renováveis de Energia

Energia renovável é uma expressão usada para descrever uma ampla gama de fontes de energia que são disponibilizadas na natureza de forma cíclica. As fontes renováveis podem ser utilizadas para gerar eletricidade, para gerar calor ou para produzir combustíveis líquidos para o setor de transportes. Atualmente, é imprescindível que elas estejam inseridas nas políticas energéticas dos países, já que exercem um papel importante para a sustentabilidade do sistema energético.

Vários países têm investido na ampliação da participação das fontes renováveis de energia na matriz energética. O crescimento observado nos últimos anos é notável. Entretanto, sua contribuição à geração de energia é ainda muita reduzida. Hoje em dia, os países industrializados, maiores consumidores, contam fundamentalmente com fontes não-renováveis de energia. O esgotamento desses recursos ao longo do tempo implica custos crescentes de produção. Desse modo, alternativas às fontes tradicionais ou novos métodos de produção são necessários para o atendimento da demanda crescente por energia.

As novas fontes renováveis de energia – biomassa, eólica, solar, de marés, pequenas centrais hidroelétricas (PCHs) – têm se constituído em alternativas às fontes tradicionais. Além de serem classificadas como opções ambientalmente corretas, permitem, em vários casos, a geração distribuída de energia. Assim, as geradoras que utilizam essas fontes alternativas costumam se localizar próximas aos centros de consumo, para atender às demandas de localidades isoladas.

No caso do Brasil, em particular, a presença de fontes renováveis na matriz energética é significativa, principalmente a hidroeletricidade e a biomassa. Apesar da predominância de fontes renováveis, o governo brasileiro tem defendido, em negociações internacionais, a ampliação de novas fontes renováveis nas matrizes energéticas dos diversos países, de forma que os impactos futuros ao meio ambiente sejam minorados.

O desenvolvimento de novas fontes renováveis não se limita ao atendimento a compromissos ou obrigações ambientais, mas também visa ao desenvolvimento de tecnologias no país, reduzindo, assim, uma possível dependência de tecnologias de ponta para a produção de energia. Além disso, as novas fontes renováveis têm sido utilizadas como forma de reduzir as diferenças regionais no que diz respeito ao acesso à energia. Apesar de seus elevados custos, se comparados com os das fontes tradicionais, as novas fontes renováveis podem se tornar competitivas em comunidades isoladas.

Os custos de investimento das fontes renováveis são, em geral, mais elevados do que os das tecnologias convencionais. Essas últimas já atingiram um nível tal de maturidade que os pesados investimentos em desenvolvimento tecnológico já foram recuperados e os custos se reduziram com a experiência e a escala adquiridas ao longo do tempo. Embora as diferenças entre custos de produção sejam ainda expressivas, é importante observar que o tempo de maturação de uma tecnologia é longo, mas os ganhos com a experiência podem ser expressivos. Especialistas em energia costumam analisar as reduções de custos de novas tecnologias procurando verificar como essas tecnologias podem afetar a dinâmica da competição dos energéticos no longo prazo.

Em um contexto de custo elevado das fontes renováveis em relação aos combustíveis fósseis, a justificativa para a antecipação da penetração das fontes renováveis no mercado baseia-se em benefícios ou externalidades positivas proporcionados por essas fontes. Em primeiro lugar, uma penetração maior das fontes renováveis no mercado implica a diversificação da matriz energética e, por conseguinte, reduz o risco de abastecimento, aumentando, assim, a segurança energética dos países. Isso é particularmente importante em um contexto de alta volatilidade de preço do petróleo. Em segundo lugar, a maior participação das fontes renováveis garante melhor condição ambiental e de saúde à população. Há uma participação significativa das emissões de enxofre (85%), dióxido de carbono (75%) e particulados (35%) nas disfunções humanas, devido à queima de combustíveis fósseis [Goldemberg 2004)]. O custo dos tratamentos hospitalares não é internalizado no custo dos combustíveis fósseis. Além disso, as fontes renováveis contribuem para o cumprimento de metas do meio ambiente global, como a redução das emissões do efeito-estufa.

Em países em desenvolvimento, as fontes renováveis contribuem para a diversificação da matriz energética e auxilia o desenvolvimento local. Em áreas rurais, as fontes renováveis apropriadas a esse contexto podem contribuir de forma mais incisiva para o desenvolvimento econômico, melhorando a produtividade na agricultura, reduzindo as desigualdades regionais, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida da população, notadamente nos campos da saúde e educação, permitindo a melhoria dos meios de comunicação e reforçando a capacidade de produção na região com melhor infra-estrutura. Nesse sentido, o desafio imediato é assegurar que a matriz energética considere a segurança ambiental e os valores sociais [AIE (2002)].

Diferentemente da maioria dos outros países, o Brasil tem tradição e vantagens comparativas para produzir energias renováveis, notadamente hidroeletricidade e biomassa. Possui potencial para produção de energia eólica (principalmente no Nordeste) e solar (em particular em regiões isoladas), mas essas tecnologias apresentam custos de geração ainda muito elevados. Esses custos têm tendência declinante e a sua redução é função da capacidade instalada. Em um contexto de custos marginais decrescentes das novas fontes renováveis e de custos marginais crescentes das fontes tradicionais, é provável que a produção de fontes renováveis seja competitiva no futuro. Cabe ao governo decidir se o país deve incentivar as fontes renováveis e selecionar aquelas que se adaptem melhor ao seu contexto.

Fonte: O Papel das Fontes Renováveis de Energia no Desenvolvimento do Setor Energético (BNDES,2005).

 

Escrito por Shayra Lauar. Empreendedora dos Cursos de Engenharia da Faculdade Alis. 

Compartilhe nas redes sociais!

Categorias
Notícias

Construindo Cidades Verdes

Construindo Cidades Verdes

Na visão de Du Plessis (2002), a construção sustentável é “…um processo holístico visando restaurar e manter a harmonia entre os ambientes natural e construído, ao mesmo tempo criando assentamentos que afirmem a dignidade humana e estimulem a igualdade econômica”.

Na prática a construção verde se baseia em criar estruturas e adotar processos ambientalmente responsáveis e eficientes no uso de recursos através do ciclo de vida de um edifício, desde a escolha da localização até o projeto, construção, operação, manutenção, renovações e desconstrução. O que complementa os projetos clássicos indo muito além dos aspectos relacionados e economia de projeto, utilidade, durabilidade e conforto nas construções.

As primeiras discussões sobre sustentabilidade nas construções foram na década de 70. A crise energética exigiu que novas tecnologias para um melhor aproveitamento de energia fossem utilizadas, e na busca da diminuição da dependência dos combustíveis fósseis. Surgiu então a agenda verde, com discussões sobre mudanças climáticas e construções verdes.

A Construção verde é a prática de criar estruturas e adotar processos ambientalmente responsáveis e eficientes no uso de recursos através do ciclo de vida de um edifício, desde a escolha da localização até o projeto, construção, operação, manutenção, renovações e desconstrução. Esta prática vai além e complementa as preocupações clássicas de projetos de edificações com economia, utilidade, durabilidade e conforto.

A Construção Civil merece atenção especial em se tratando de Construções Verdes. A urbanização deve sempre priorizar a preocupação com o meio ambiente. Os recursos hídricos, por exemplo, são fundamentais à sobrevivência humana, pois estão relacionados com geração de energia, produção agropecuária, desenvolvimento industrial, doméstico, dentre outros. Por isso, deve haver planejamento nas formas de uso da água nos projetos de construção como, por exemplo, meios possíveis de estocar água de chuva. Deve-se atentar também ao uso de materiais de isolamento acústico, a fim de proporcionar tranquilidade às pessoas que residem próximo e aos que habitarão aquele imóvel a ser construído. Outro fator importante, que demonstra preocupação socioambiental, é proporcionar ambientes que tenham vegetações, pois elas melhoram a qualidade do ambiente, proporcionando frescor.

Segundo Couto, Couto e Teixeira (2006, p. 05), “o uso de materiais reciclados irá encorajar indústrias e governos a investigar novas tecnologias para reciclar, e para criar uma rede de suporte mais larga para futura reciclagem e reutilização”. Nesse sentido, os autores mencionam que o uso de materiais reciclados pode ser uma das alternativas para uma construção mais sustentável. Logo, o uso de materiais sustentáveis evidencia maior responsabilidade com o meio ambiente, sendo interessante ampliar esse tipo de construção.

Sobre os materiais sustentáveis, Wieczynski (2015), destaca o tijolo ecológico, as placas ecológicas, captação de água de chuva e ressalta a importância ecológica desses materiais. Quanto ao tijolo, é ecológico porque, diferentemente do tijolo convencional, não precisa ser cozido em fornos, eliminando assim a utilização de lenha e a derrubada de dez árvores para a fabricação de mil tijolos.

Embora a Construção Civil seja necessária para o desenvolvimento das cidades, pode provocar danos, se não houver relação de equilíbrio entre construção e meio ambiente. Tal equilíbrio pode ser obtido por meio de um planejamento que leve em consideração as diversas proposições inerentes aos princípios de sustentabilidade, e que resultem em construções sustentáveis. Um planejamento socioambiental satisfatório no ambiente urbano minimiza os impactos ambientais.

A utilização de materiais sustentáveis nas construções e os princípios de sustentabilidade têm-se constituído como alternativas viáveis, mas é possível ampliar essas ações e colocá-las ainda mais em prática. Afinal, desequilíbrios ambientais podem ter consequências graves como falta de água, aumento do calor, maior poluição, dentre outras. Uma maior conscientização no ensino de técnicas sustentáveis para a construção civil, nessa perspectiva, pode contribuir para uma maior preocupação socioambiental, auxiliando o desenvolvimento sustentável.

Fontes:
– Comissão Mundial Sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Nosso Futuro Comum. 2 ed. Rio de Janeiro: FGV, 1991
– CIANCIARDI, G.; BRUNA, G. C. Procedimentos de sustentabilidade ecológicos na restauração dos edifícios citadinos. Cadernos de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, v. 4, n. 1, p. 113-127, 2004. Disponível em: http://coral.ufsm.br/lasac/patrimonio5.pdf. Acesso em: 10 fev. 2019.
– JOHN, V. M. et al. Durabilidade e Sustentabilidade: desafios para a construção civil brasileira. In: Workshop sobre durabilidade das construções. 2002.

Escrito por Shayra Lauar. Empreendedora dos Cursos de Engenharia da Faculdade Alis. 

Compartilhe nas redes sociais!